Negros correspondem a 57% da população do DF; veja perfil

Dados fazem parte da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio de 2011, 2013 e 2015. Taxa de escolaridade, inserção no mercado de trabalho e rendimento também aumentaram.

Uma pesquisa da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) divulgada nesta terça-feira (21) aponta que houve um aumento gradual no número de pessoas negras que vivem na capital entre 2011 e 2015 – período de coleta de dados. Os índices de escolaridade, de inserção no mercado trabalho e de rendimento também revelam crescimento (veja perfil abaixo).

“Há uma melhora gradual aqui no DF no nível educacional, uma representação maior nas regiões de renda mais alta, mas ainda se mantém os padrões de sub-representação”, disse o presidente da Codeplan, Lúcio Rennó.

Mulheres participam de marcha nas vésperas do Dia Nacional da Consciência Negra em frente ao Congresso Nacional, em Brasília (Foto: Joedson Alves/Reuters)

Mulheres participam de marcha nas vésperas do Dia Nacional da Consciência Negra em frente ao Congresso Nacional, em Brasília (Foto: Joedson Alves/Reuters)

O levantamento da Codeplan foi elaborado com base nos dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílio (Pdad) de 2011, 2013 e 2015. Segundo a pesquisa, a proporção de negros em regiões de alta renda aumentou de 27,3%, em 2011, para 32,81% em 2015. Mesmo assim, a população negra continua a se concentrar nas regiões de menor poder aquisitivo.

Em áreas consideradas nobres como Plano Piloto, Lagos Sul e Norte, Jardim Botânico, Sudoeste e Park Way 67,19% dos habitantes são brancos. Nasregiões mais afastadas do centro da capital, como Fercal, Itapoã, Paranoá, Recanto das Emas, Estrutural e Varjão, a população negra corresponde a 71,05%.

População negra e não negra no DF
Distribuição por renda
Percentual32,8132,8167,1967,1971,0571,0528,9528,95Renda Alta (negros)Renda Alta (brancos)Renda Baixa (negros)Renda Baixa (brancos)020406080
Fonte: Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan)

Escolaridade

No critério escolaridade, a pesquisa aponta que o percentual de pessoas com ensino superior “vem subindo, independentemente da cor/raça dos indivíduos”. Entre os negros, as pessoas com 25 anos ou mais que têm nível superior, especialização, mestrado ou doutorado correspondem a 18,9% do grupo. Já entre os brancos, o percentual é quase o dobro, com 38,16% – os dados são de 2015.

Em 2011, o índice de quem tinha nível superior, especialização, mestrado ou doutorado era de 15,32% para negros e de 33,87% para brancos. Entre a população negra que vive em regiões de alta renda no DF, 64,8% correspondem a este perfil. Já nas regiões de menor poder aquisitivo, a proporção entre negros com ensino superior é de 5,7%.

População negra e não negra no DF
Pessoas com 25 anos ou mais com ensino superior completo
Percentual64,864,877,7477,745,75,711,1611,16Renda Alta (negros)Renda Alta (brancos)Renda Baixa (negros)Renda Baixa (brancos)0100255075
Fonte: Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan)

Trabalho

No mercado de trabalho, o índice de inserção de negros e brancos é quase o mesmo desde 2011, variando em até dois pontos percentuais. Em 2015, o número de pessoas negras profissionalmente ativas foi de 53,53%, enquanto na população branca o percentual era de 53,56%.

De acordo com a pesquisa, a maior disparidade neste caso é observada na análise qualitativa dos números, que desenham a distribuição da mão de obra, as ocupações e qualificações profissionais.

“Os negros tendem a ocupar profissões que exigem qualificações mais baixas e remuneram pior, como construção civil e serviços domésticos, e estão menos inseridos, por exemplo, na administração pública”, explicou o presidente da Codeplan.

Enquanto 70% dos negros trabalhavam na construção civil e em serviços domésticos em 2015, os brancos ocupavam com percentual semelhante cargos na administração pública e em serviços de comunicação.

População negra e não negra no DF
Pessoas com atividade remunerada
Percentual70,870,829,229,24040606070,4270,422,582,58Construção civil (negros)Construção civil (brancos)Administração pública (negros)Administração pública (brancos)Serviços domésticos (negros)Serviços domésticos (brancos)0255075
Fonte: Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan)

Salário

As remunerações também são diferentes. Segundo a pesquisa, independentemente da região administrativa onde a pessoa resida, a renda das pessoas negras é cerca de 20% menor que a dos brancos. Enquanto negros de classe alta recebem salário médio de R$ 4 mil, os brancos da mesma condição social ganham R$ 5 mil.

“Mantendo tudo igual: mesma escolaridade, mesmo gênero, mesma ocupação, o salário ainda é diferente e isso é um padrão nacional”.

A desvalorização salarial é ainda maior para as mulheres negras. Em 2015, a faixa etária de 30 a 39 anos percebeu rendimento 39% menor que o das mulheres brancas. No caso dos homens negros, a redução foi de 37%.

População negra e não negra no DF
Rendimento individual
Percentual4.0874.0875.2025.2022.0292.0292.6642.6641.0841.0841.3221.3228918911.1271.127Renda Alta (negros)Renda Alta (brancos)Renda Média Alta (negros)Renda Média Alta (brancos)Renda Média Baixa (negros)Renda Média Baixa (brancos)Renda Baixa (negros)Renda Baixa (brancos)02k4k6k
Fonte: Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan)

A pesquisa considera “negros” as pessoas que se autodeclaram pretas ou pardas, segundo critérios do IBGE. Os “brancos” compreendem quem se declara branco, amarelo ou indígena.

Fonte: G1 DF

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *